População - PNAD

Nesse indicador, pode-se acompanhar a evolução da população brasileira por faixa etária desde o ano de 2001. Ele é calculado com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Como esta é uma pesquisa amostral, não é possível acessar os números dos municípios, pois não haveria uma quantidade representativa de pessoas de cada lugar para calcular a população local. Para estes, o Observatório apresenta os dados de 2010 no indicador “População - Censo Demográfico”. Ao observar o gráfico, percebemos que a população brasileira vem crescendo consistentemente, em 2015 somava-se 204,9 milhões, valor que cresceu mais de 34 milhões desde 2001. Entretanto, a composição etária da população mudou. A população de 0 a 3 anos vem diminuindo desde 2001, porém apresentou um pequeno crescimento entre 2013 e 2014. Em 2015, esse número voltou a cair, chegando a marca de cerca de 11,5 milhões de bebês. A partir de 2011, a população de 4 a 5 anos oscilou, mas se encontrava, no dado mais recente, em menor número em comparação a 2001. Em 2015, o País possuía um pouco mais 5,3 milhões de crianças nessa faixa etária. O número de brasileiros entre 6 e 14 anos de idade começou a diminuir sem interrupções em 2007, e, em 2015, tínhamos quase 28 milhões de indivíduos dessas idades. Já população de 15 a 17 oscilou e desde 2013 está em queda, chegando ao total de mais de 10,5 milhões de adolescentes em 2015. Quando se analisa a faixa etária cuja a presença na escola é obrigatória, de 4 a 17 anos, a população sofre oscilações desde 2001, chegando ao número de cerca de 44 milhões de crianças e adolescentes em 2015. A faixa etária de 18 a 29 estava praticamente estagnada entre 2012 e 2014 e em 2015 apresentou queda, chegando ao total de mais de 37 milhões de jovens. Por fim, a população com mais de 30 anos apresentou um crescimento constante. Em 2015, os adultos de 30 a 59 anos somavam 83,5 milhões e os idosos com mais de 60 eram um pouco mais de 28 milhões. Esses números vão de encontro às expectativas de envelhecimento da população fruto da transição demográfica brasileira e as maiores expectativas de vida, além da diminuição das taxas de natalidade.



Fonte: IBGE/PNAD

Elaboração: Todos Pela Educação