Em franco crescimento

Por Caetana Rezende, 01 jun, 2012

A Educação Profissional e Tecnológica (EPT) tem apresentado um vigoroso crescimento, especialmente no último quinquênio. O Censo Escolar registra um incremento de 46% entre 2007 e 2010, superando a marca de 1,1 milhão de matrículas em cursos técnicos de nível médio. As matrículas em cursos da EJA integrados com a Educação Profissional, ainda que em número insuficiente diante da demanda nacional, quase triplicaram nesse período. No âmbito da Educação Superior, as matrículas em graduações tecnológicas aumentaram em 64% entre 2007 e 2009, com 680,3 mil matrículas em cursos presenciais e a distância.


Considerando o cenário de desenvolvimento nacional, o interesse por informações estatísticas sobre a EPT tem igualmente se ampliado. Porém, a análise dos resultados requer a compreensão das características dessa modalidade e a observação do que foi considerado na coleta das informações. Fontes distintas podem utilizar diferentes critérios e metodologias, chegando a resultados bastante díspares.


Os cursos da EPT permitem diferentes articulações com a Educação Básica e a Superior e com outras modalidades de ensino. Os cursos técnicos de nível médio podem ter sua oferta organizada administrativamente de distintas formas: integrada, concomitante ou subsequente ao Ensino Médio. Além do mais, os cursos de formação inicial e continuada ou qualificação profissional possuem inúmeras possibilidades de articulação ou não com um nível educacional e com o mundo do trabalho.


Essa diversidade complexifica a captação de dados quantitativos e sua análise, não somente no que diz respeito ao número de matrículas, mas também de instituições ofertantes e de professores envolvidos.


Os cursos podem ser oferecidos em escolas especializadas ou não e, no caso dos cursos de qualificação profissional, a possibilidade de serem oferecidos por empresas e outras entidades. Essa definição terá impacto sobre o número de matrículas informado e dos professores envolvidos.
A prospecção de cenários para a Educação Profissional, que inclui os novos investimentos governamentais nesse segmento, soma ao déficit histórico as novas demandas dos setores produtivos no país, apontando para a continuidade do crescimento registrado nos últimos anos. Um campo a ser investigado pelos pesquisadores.


No desafio apresentado, este Anuário soma-se aos esforços de ampliação das pesquisas e estudos sobre a EPT e representa uma importante referência para todos os que se interessam pela análise das relações entre Educação e trabalho.

 

*Publicado no Anuário Brasileiro da Educação Básica 2012